Lisboa – A “residentura” do SINSE - Serviço de Inteligência e Segurança do Estado do distrito do Rangel, decidiu manter sob vigilância o primeiro secretario distrital do Rangel do MPLA, Josué Gourgel “Casão” (na foto), depois de terem surgido alertas de que estaria comungado com uma corrente local que desejava subverter uma atividade em alusão ao aniversario do referido distrito, que se assinalou nesta sexta-feira (23)

Fonte: Club-k.net

O plano atribuído a corrente (constituída por Kito Piedade, Edilson Julio e Daximica) conotada ao primeiro secretario Josué Carlos Gourgel “Casão”, visava mobilizar jovens do bairro que iriam protestar junto ao centro recreativo Kilamba, local onde realizou-se o evento de homenagem ao distrito e outras operação de desgaste a administração local, conforme dados sondados pela sessão local da secreta.

 

De acordo com fontes locais, as acções de desgaste contra a administração do distrito, é vista como uma estratégia encontrada por parte da corrente do primeiro secretario local do MPLA, destinada a expor descontentamentos que possam vir a ser merecedor da atenção do recém nomeado governador de Luanda, Manuel Homem. O primeiro secretario do partido no rangel, Josué Gourgel “Casão”, revela-se habilitado em não descartar um eventual convite para ser o proximo administrador distrital do Rangel, onde tem interesses econômico (explora um restaurante, no campo dos flaminguinhos)

 

Conhecedor do Rangel, Josué Gourgel “Casão”, foi há cerca de 12 anos, administrador da Comunal do Rangel, ao tempo do administrador municipal Maciel Neto “Makavulo”, de quem era “Delfim”. “Casão”, estava na linha de sucessão e até aos dias de hoje, o seu grupo sente que o mesmo só não chegou ao mais alto cargo do município por conta de um escândalo de fraude financeira envolvendo a reabilitação da Rua da Vaidade, onde se situa a sede da administração comunal do Rangel.

 

O então administrador Maciel “Makavulo” teria atribuído competências a Carlos Gourgel “Casão” para que este se responsabiliza-se com o esquema da empreiteira. Carlos “Casão”, por sua vez, contractou, para os trabalhos, um grupo biscateiro para o referido trabalho chamando um jovem engenheiro de construção civil, Norberto Marcelino que acabava de regressar de Portugal. Face a ausência de profissionalismo, os moradores do bairro saíram, a rua, com panelas para agredir o construtor que teve de ser socorrido para o Hospital Américo Boavida. A Rua da Vaidade era tida como a “de pior estado” no município.

 

Desde então, segundo apurou o Club-K, o militante  Carlos Gourgel “Casão” não mas voltou a ter cargo no administração do Estado  ficando apenas a liderar a direção do partido no Rangel. São-lhe atribuídos desabafos na qual culpa  o  líder do partido na província Bento Bento, pela desgraça politica do mesmo e do seu amigo Maciel “Makavulo” , que alega ter ficado doente ao ponto de perder a visão.

 

Para além de Carlos Gourgel “Casão”, nas redes sócias, esta ser citado um outro candidato Rui Paulo Lima, que estará a mover influencia para ser notado como aspirante a administrador do distrito do Rangel.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: