Luanda - As perdas económicas diretas na agricultura angolana devido à seca podem aumentar dos atuais 100 para mais de 700 milhões de dólares até 2100, alerta o Relatório Sobre Clima e Desenvolvimento do País -- CCDR, hoje lançado em Luanda

Fonte: Lusa

"Espera-se que a falta de disponibilidade de água e o aumento das ocorrências extremas coloquem desafios crescentes à produção agrícola", salienta o documento, a que a Lusa teve acesso.

A produtividade da pesca também deverá diminuir, esperando-se que o potencial máximo de captura diminua em 43,7% até 2050 e 64,0% até 2100, indica o estudo do Banco Mundial, no qual se identificam também ações climáticas de grande impacto e estratégias de mitigação.

Tendo em conta os riscos climáticos que Angola enfrenta, apesar da sua pequena contribuição para as emissões globais de gases com efeito de estufa (0,21%), o CCDR dá prioridade à adaptação e à resiliência, enquanto explora oportunidades de crescimento com baixo teor de carbono.

As maiores fontes de emissões de gases com efeito de estufa em Angola provêm do setor do petróleo e gás (principalmente das emissões fugitivas de metano e a queima de gás), seguidas pelas emissões da agricultura, silvicultura e outros usos da terra.

O relatório recomenda formas de reduzir a intensidade de carbono na produção de petróleo e gás, introduzindo, nomeadamente, uma taxa sobre a queima e fuga de gás, bem como um reforço do cumprimento das regulações existentes.

Outras medidas incluem uma maior expansão das energias renováveis; a remoção dos subsídios aos combustíveis para promover uma utilização mais racional dos combustíveis e a eficiência nos transportes; e a adoção de medidas para reduzir as emissões da agricultura, invertendo a degradação da terra e a desflorestação.

O relatório identifica cinco vias para alcançar a visão "de uma futura economia angolana de baixo carbono, diversificada e resistente ao clima", que foram adaptadas ao contexto nacional e identificadas em diálogo com o Governo de Angola.

O CCDR recomenda que se invista e reforce a resiliência de sectores-chave, nomeadamente recursos hídricos, agricultura e pescas, e energias renováveis, bem como "proporcionar cidades verdes e resilientes com oportunidades económicas para todos os angolanos" e "impulsionar o capital humano".

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: