Luanda -  MANIFESTAÇÕES; ato de manifestar-se, manifestação de pensamento. Movimento popular, ajuntamento de pessoas destinado a exprimir publicamente um sentimento, uma opinião politica. Homenagem coletiva a uma pessoa eminente.


Fonte: Club-k.net


Não é possível o exercício da política sem o exercício deste direito básico/elementar; o direito de manifestar-se. Como praticar a política, se tal quer dizer basicamente manifestação, como ser politico se este não se manifesta? Como evangelizar – no caso religioso – se o pretenso evangelizador manter-se permanentemente silencioso? - “…Por sua vez como depositarão fé naquele de quem não OUVIRAM (falar)? Por sua vez, como ouvirão, se não houver quem pregue?” Romanos 10:14b - Na minha opinião uma consequência vital da Democracia é precisamente as manifestações que ‘anda’ de mãos dadas com os ideais; JUSTIÇA e LIBERDADE.


Manifestação é a mais importante versão da LIBERDADE DE EXPRESSÃO.


O que é Liberdade de expressão? Pode-se entender por outras palavras; É o direito de manifestar livremente opiniões, ideias e pensamentos. É em suma, um conceito basilar nas democracias modernas nas quais a censura não tem respaldo moral.


LIBERDADE de EXPRESSÃO e a Democracia


A liberdade de expressão, sobretudo sobre política e questões públicas é o suporte vital de qualquer democracia. Os governos democráticos não controlam o conteúdo da maior parte dos discursos escritos ou verbais. Assim, geralmente as democracias têm muitas vozes exprimindo ideias e opiniões diferentes e até contrarias. Segundo os teóricos da democracia, um debate livre e aberto resulta geralmente que seja considerada a melhor opção e tem mais probabilidades de evitar erros graves.


A democracia depende de uma sociedade civil educada e bem informada cujo acesso a informação lhe permite participar tão plenamente quanto possível na vida pública da sua sociedade e criticar funcionários do governo (o PR é funcionário publico Nr 1) ou políticas insensatas e tirânicas.


A liberdade de expressão é um direito fundamental consagrado na Constituição Angolana, e funciona como um verdadeiro termómetro no Estado Democrático. Quando a liberdade de expressão começa a ser cerceada em determinado Estado, a tendência (como testemunhamos em Angola) é que este se torne autoritário.


A liberdade de expressão serve como instrumento decisivo de controlo de atividade governamental e do próprio exercício do poder. O princípio democrático tem neste desiderato um elemento indissociável, em contraposição a esse elemento, existe a censura que representa a supressão do Estado Democrático.


A divergência de ideias e o direito de expressar opiniões não podem ser restringidos para que a verdadeira democracia possa ser vivenciada.


Democracia


Significado; do grego, Demo = povo e Cracia = Governo, ou seja, governo do povo. Democracia é um sistema em que as pessoas de um país podem PARTICIPAR da vida politica. Esta participação pode ocorrer através de eleições, plebiscitos e referendos, que constituem facetas de manifestações. Dentro de uma democracia, as pessoas possuem liberdade de expressão e MANIFESTAÇÕES de suas opiniões a favor ou contra o poder vigente.


FRASE EXEMPLO: Em Portugal atual existe democracia.


EXPLICAÇÃO DA FRASE:


Em Portugal, as pessoas podem escolher seus representantes (vereadores, deputados, prefeitos, governadores e Presidente) através do voto das eleições. Existe liberdade de expressão e os direitos de MANIFESTAÇÕES são garantidos pela constituição Portuguesa, e as instituições do Estado garantem o exercício destas, no escrupuloso cumprimento da Lei Fundamental.


Ensaio de Manifestações (de modo que a fé segue a coisa OUVIDA…- Romanos 10:17a)
Para ilustrar, nos anos 1974-1976 conhecemos no país, grandes manifestações políticas, fundamentalmente nos anos 1974-1975, os chamados Movimentos de Libertação, recentemente “libertados da Luta de Libertação” empenharam-se em fazer passar a sua ‘mensagem’ para o povo, através de grandes atos de massas que foi uma inovação para a então sociedade, que gerou enormes e importantes debates em todos os setores da vida nacional. Tais movimentos ou manifestações decididamente determinaram a vida futura de milhares senão milhões de Angolanos.


Imaginemos por um instante que os movimentos de libertação acima mencionada (FNLA,MPLA, UNITA) não decidissem fazer manifestações, haveria movimento politico? Poderiam transformar-se em partidos políticos? Como o povo ou as pessoas poderiam decidir qual deles tem o melhor programa para o País?


As manifestações hoje em Angola


É resultado da propositada alheação a que o regime votou a maioria do povo Angolano, o regime não transformou em parceiro os governados na busca de soluções dos ‘problemas’ que o próprio povo se encontra submetido. Em Angola o governo não é do povo pois este impede por todos os meios não hesitando recorrer a violência extrema, a participação do povo na governação do País.


O governo Angolano chegou ao extremo de ultrapassar as medidas repressivas praticadas pelo regime colonial e recusa-se voluntariamente de ter o interesse público como seu objeto de governação. A maioria esmagadora das populações de Angola, não se revêm nos seus representantes na Assembleia Nacional (AN), por estes decidirem praticar a política de avestruz e de interesse pessoal.


OPOSIÇÃO ; -  Juventude (David), UNITA, CASA-CE.


A UNITA como líder da oposição defraudou grandemente as expetativas da maior parte do seu eleitorado, com a sua politica de “nem peixe nem carne”, assemelhando-se a ilustração bíblica da congregação de Laodicéia, que sentença ditou o justo anjo Gabriel a esta congregação? “ Assim porque és morno, e não és nem quente nem frio, vou vomitar-te da minha boca” – Apocalipse 3:16


Foi assim que a esmagadora maioria do povo Angolano, reagiu face ao comportamento daquele que pretendeu ser o líder da oposição em Angola, em nome de uma PAZ fugitiva, descolorida, insipida e gravemente doentia, “que matou mais que a guerra”. O povo não compreendeu como foi possível a UNITA passar ao largo face aos grandes temas que empolgou o País, fez ouvidos de mercador a gigantesca corrupção que estropiou o tecido social-nacional e fingiu não ver/sentir/sensibilizar-se ao enorme ‘massacre’ resultante de políticas podres, incompetentes e homicida que vitimou principalmente os pobres; crianças e cidadãos da terceira idade, a franja mais vulnerável da sociedade.


Com muita coragem – qual David perante o Golias - e ‘garra’ os jovens “rasgaram as suas vestes” e decidiram manifestar-se para darem a conhecer aos prevaricadores isto é aos governantes, que as suas políticas estavam (estão) ERRADAS. Hospitais com quadros incompetentes – sistema de saúde “nos cuidados intensivos”- sistema de ensino com milhares de crianças ainda no banco de pedra e sob a copa de arvores, gritante falta de emprego, a necessidade básica; água & luz a conta-gotas… só para citar estes, dizia que os jovens decidiram FAZER OUVIR A SUA VOZ DISCORDANTE. Onde estavam os partidos políticos da oposição? Onde estava o partido líder da oposição?


Por isso a apatia do povo em relação a UNITA e mesmo até de setores importantes da sua franja militante. E assim o texto e principalmente o contexto produziu o (que pensávamos ser) SALVAÇÃO DE ANGOLA, a CASA-CE


Todos pensaram e com basta razão de que a Salvação de Angola, como o nome supõe, iria enfim liderar o povo para a terra da promessa, qual jovem Josué, para uma terra onde a liberdade e a justiça fariam morada permanente. E qual (profeta) Jeremias dos tempos hodiernos faria com coragem e muita pujança fazer ouvir a denúncia das práticas injustas e homicidas da classe governante.


Foi constrangedor que o representante da CASA-CE na província de Benguela, dissipasse de uma vez por todas as dúvidas, no passado “quintas de debates” promovido pela OMUNGA… “NÃO vale a pena fazerem manifestações, a maior manifestação é no dia do voto!”, não deixa de ser verdade que o dia do voto constitui a maior manifestação popular… e mais uma vez vou recorrer as escrituras sagradas, para melhor exemplificar o contexto… “pois verdadeiramente se a trombeta der um toque incerto, quem se aprontará para a batalha?”


Como a CASA-CE ou qualquer outro partido político espera congregar os ‘soldados’ a sua ca(u)sa, se não fazer soar o “toque certo” tal tem a ver com a audição, e assim implica que se alguém tem que ouvir outro tem que fazer-se ouvir ou “falar” e a melhor forma de se fazer ouvir para multidões ou para o País, é através de manifestações politicas; marchas, comícios e outros atos do género, essencialmente contacto com as massas populares.


A CASA-CE de Abel ‘Chivas’ esta precisamente a fazer aquilo que ele sempre criticou a Isaías Samakuva; “não fazer soar o toque certo da trombeta”. O povo definitivamente esta cansado da oposição ‘burocrática-digital’ como classificou o meu amigo do lote 22, precisamente o tipo de oposição que o MPLA-JES gosta e incentiva com muitos ‘abraços e amassos’.


CASA-CE Salvação de Angola? O que esta a fazer para merecer tal ‘recomendação’? E como quer colher tal se não o semeou? Pois quem semeia milho colhe milho, quem semeia trigo vai colhe trigo… e quem semeia ‘nada’ NÃO colhe ‘riqueza ou abundância seja de que espécie for’?
A UNITA com a ‘promulgada’ manifestação do dia 19 vai muito provavelmente recuperar grande parte da sua franja eleitoral e não só. Na minha opinião quem é contra as manifestações é contra a liberdade de expressão e consequentemente contra a democracia, e indicia que quando for governo vai comportar-se “igualito ao MPLA-JES” vai cercear a LIBERDADE.


O ‘Golias’ JES e as Manifestações


Porque APENAS o MPLA-JES tem ‘direito’ de fazer manifestações passe o termo “a torto e a direito” utilizando todas as engrenagens da sua máquina. E porque os que não se revêm na política “deles” são ‘epitetados’ de inimigos da paz, desordeiros etc., etc.? Porque quem pensa diferente de JES é rotulado de inimigo e Angolano de 2ª quer dizer não patriota?

Por isso certa manifestação organizada por mulheres Angolanas contra a violência domestica, foi violentamente impedida pelos esbirros do regime, isto é pela polícia, só porque os componentes da mesma não se faziam identificar pelas cores do MPLA-JES, e muito recentemente uma outra organizada pelos jovens, pela recuperação dos bons hábitos e costumes foi igualmente abortada com a mesma envergadura ditatorial da era Salazarista-Caetano.


Porque temos que aplaudir JES, quando Luanda “desconsegue” ter Luz e água 36 anos depois de os nossos pais e avós escorraçarem os colonos de Angola? Porque o povo não pode reclamar da Fome e da Miséria que grassa no seu seio, quando ‘ele’ é a principal e única vitima, resultado de políticas desastrosas de JES? O que dizer quando meia dúzia de famílias açambarcam o inteiro tesouro nacional? O que dizer quando um dirigente do MPLA é indiciado por ROUBO de milhões de dólares pelo tribunal do MPLA é depois nomeado para outro cargo público de destaque, junto ao gabinete de JES?

Temos motivos para sorrir? Temos motivos para continuamente dizermos VIVA JES?


“Não vos deixeis desencaminhar;… Pois o que o homem semear, isto também ceiferá”. – Gálatas 6:7

“As causas não determinam o caracter da pessoa, mas apenas as MANIFESTAÇÕES desse caracter, ou seja, as ações”. - Arthur Schopenhauer

Nguituka Salomão



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: