Luanda  - Eu,  Rui Paulo de Vasconcelos,  sou funcionário  da 5M a mais de 2 anos.  A  5M é uma empresa que pertence a GRN (Gabinete  de Reconstrução Nacional) dirigida pelo seu PCA Vincent Miclit,  o mesmo é encabeçado pelo General “ Kopelipa”  testa de ferro do nosso camarada JES. A  5M opera como um terminal marítimo que não paga imposto algum e tem muitos problemas com o porto de Luanda por causa da fuga ao fisco e não só.
 

Fonte: Club-k.net


No dia 2 de  Maio foi reactivada a terceira greve na 5M após duas anteriores,   uma em  Janeiro e outra no mês de Março, mais como nosso país,   1º é o estrangeiro, 2º é o estrangeiro e 3º é o estrangeiro, os mesmo dirigentes da 5M nunca quiseram  resolver os assuntos dos Angolanos, como conseqüência, a terceira greve durou 11 dias e custou aos cofres da empresa qualquer coisa como 7 milhões  e 2mil dólares  norte americanos segundo o diretor geral da mesma 5M, Daniel Zhoar de origem Israelita nacionalizado como Frances. E  não só  custou também o desemprego de 12 Angolanos que pertencem a comissão sindical da empresa.

O  diretor geral disse aos sindicalistas que não tem voz nem poderes nenhum pra a manter aqueles  pacatos funcionários e chefes de família naquela empresa, depois apareceu um Omar que é o free lancer do PCA ( Vincent Miclet) que teve o descaramento de dizer aos funcionários alto e bom som “enquanto o senhor José Eduardo do Santos for o presidente da República e do MPLA nós teremos sempre voz aqui e vamos continuar a mandar ok Angolanos” isso diz-se???

Meu Deus aonde estamos???  Desde quando é que um estrangeiro que mal sabe a história de Angola tem voz para dizer isso aqui e neste tom!!!

O  tal Omar tem um motorista de nome Luis, também é um super arrogante e desmaneirado a proferir ameaças a um sindicalista de nome Vaz dizendo que  lhe  que “Eu vou te bater se vocês não voltarem ao trabalho, oh  Luis tu és um simples choffer  e quando isso acabar tu estarás no olho da rua ou vais continuar no Cazenga a matar como é o teu trabalho seu ignorante burro”

 
Eu quero dizer que estamos a sofrer muito e pedimos ajuda as pessoas de direito que vão a 5M ver o que se passa ali, vão mesmo e não  hesitem !  Aonde vão recorrer estes 12 jovens desempregados??


Numa fase destas que o governo diz: “Angola faz-se com a sua gente” é tudo mentira porque Angola faz-se com a gente dele amigos e não só. Hoje la na 5M os 1300 e poucos trabalhadores que la estão continuam a trabalhar sem nenhum contrato nem nada nem garantia alguma que lhes mantém  la em segurança naquela empresa. nós sabemos que a GRN é Angolana e para a reconstrução do pais porque que estão a fazer isso aos Angolanos???


"Eu já mais vou me calar, se vocês senhores dirigentes Angolanos não porem o pé eu vou falar porque digo-vos ja alto e de bom tom, eu sei muito".



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: